Presente do TUBA -

Presente do TUBA -

" Não é a força ,mas a constância dos bons sentimentos que conduz o homem à felicidade".Nietzsche

" Não é a força ,mas a constância dos bons sentimentos que conduz o homem à felicidade".Nietzsche

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Blogagem Coletiva. Texto do Ricardo e o meu comentário.








"1. Todos somos poetas: Disso não tenho a menor dúvida. Senti isso na pele. Comecei a escrever por acaso, e confesso que foi uma surpresa. Algumas pessoas mais gabaritadas me deram força e fui testando formas de escrever. Não quero parecer condescendente, arrogante nem falso modesto, mas não é difícil traduzir em letras sentimentos que temos ou situações que vivenciamos. É só uma questão de arriscar;

2. Nem tudo o que produzimos tem qualidade: Devemos ter o bom-senso para reconhecer uma crítica construtiva e aceitá-la sem estresse. A grande questão que vejo é que no campo das artes o que é ou não boa poesia depende muito. Não posso concordar, por exemplo, em chamar o manual da Bruna Putistinha de literatura. Da mesma forma que não posso aceitar que um vaso sanitário cheio de merda, numa sala da bienal, seja considerado arte. Nas letras sinceramente, torço o nariz para “poesias” que nada mais são do que um empilhamento de frases como se fossem versos. Não critico, mas não gosto. A dependência da opinião então pode deixar de ser qualitativa para se tornar comercial ou forma de protesto da vanguarda pseudo-intelectual;

3. Existem regras: Falando em qualidade de poesias, haicais, poetrix e sonetos seguem uma métrica e conceitos bem definidos. Se nos propomos a seguir um determinado caminho temos que respeitá-las. A poesia livre, a transformação do sentir em palavra escrita e daí em um objeto de arte é algo fascinante, isso sim é um campo a ser explorado, sem medo;

4.Falta coragem e disposição: Para muitos, encarar o esforço, que é publicar um livro, é um desafio impossível de se cumprir. Muita gente boa deixa de lado a idéia. Encerram-se no mundo internético e para eles isso basta. Além disso, sem deixar de lado a realidade de que todos gostamos de dinheiro, não percamos de vista que a arte tem um forte apelo social. Estimular a leitura é libertário, para quem escreve e para quem lê. E para isso deve ser levado a todas as camadas, quem obviamente não tem acesso à internet, por mais que o governo diga o contrário. Ao estimular a leitura estimulamos a busca pelo conhecimento. E isso não tem preço;

5. O mercado editorial é bizarro: Quero publicar um livro, o que faço? Reza. Entre as maneiras de publicar encontrei dois grandes segmentos: Gráficas que se passam por editoras, onde o freguês manda editar quantos exemplares quiser, coçando o bolso. O editor não se responsabiliza pela divulgação nem distribuição. No extremo oposto, as editoras propriamente ditas, conte com a sorte de conhecer um canal experiente e adequado, encontrar a editora cuja linha de publicação está aderente ao que quer publicar e ter algo comercialmente vendável. Aí entra a ginga e a malemolência de cada um, pois "marketear", vender e negociar não é fácil.

6. Sites e blogs: São excelentes ferramentas para publicar seus textos. Mas são apenas isso, ferramentas. Como mídia de divulgação é excelente mas ainda assim gostamos de grana. Somente publicando, em papel, podemos alcançar o devido retorno financeiro, se merecermos. Como ainda não se inventou uma forma de se ganhar, realmente, dinheiro publicando em blogs fica aqui o desafio. Deverá ser o próximo estágio na rede.

E tenho dito."

Esse foi o texto que o Ricardo,publicou hoje, em virtude da blogagem coletiva "Poesia e Internet, isso combina?"

Eis o meu comentário:

Ricardo!
Baseada no teu texto, digo:

Quando mais de uma pessoa, diz que “temos futuro”, no mundo das letras, devemos acreditar e investir nos nossos escritos. Se não fossem os incentivos dos amigos, JAMAIS teria editado o meu primeiro livro. Concordo contigo quando falas que: “somos todos poetas”. Bons ou ruins, só o tempo dirá. Mas a paixão pela escrita, ou até mesmo a insana vontade de escrever, nos torna de certa forma, “poetas”.

No caso de vasos sanitários e formas estranhas em bienais, concordo, novamente contigo: nem tudo mesmo é arte. Muito menos literatura, no sentindo amplo da palavra, no caso da Bruna Surfistinha. Mas queres saber de uma coisa? A BRUNA NÃO TEM CULPA. A EDITORA, SIM. Ela apostou e promoveu a moça a ponto do seu livro vender bem, até fora do Brasil. Ah! Foi para essa editora, que enviei o e-mail citado no meu post de hoje. Eles me “recusaram”. Risos

“Falta de coragem e disposição” – Todo esforço para editar um livro, vale a pena! Nem que seja como forma de realização pessoal. Assim eu penso e sinto. É certo que as barreiras encontradas são muitas, desde a falta de dinheiro para publicá-lo, chegando até supermercados que impedem o autor de colocar os seus exemplares à venda no mesmo. E olha que eles não compram os nossos exemplares. O autor os oferece em forma de CONSIGNAÇÃO. Aconteceu comigo, por esse motivo, AFIRMO QUE ACONTECE, infelizmente.

“ O mercado editorial é bizarro” – Sim. Rir ao ler as tuas palavras iniciais: “Quero publicar um livro, o que faço? Reza.” Risos Tu és demais!
Gráficas apenas imprimem o seu livro e, muitas nem ao menos fazem uma revisão. Quanto às editoras, existem as que , editam, divulgam , distribuem, mas TE COBRAM POR ISSO. Na verdade são gráficas oferecendo serviços a mais. No caso de caíres nas graças de uma, vide Bruna Surfistinha, a editora não cobra nada do autor e, ainda o mesmo, ganha um percentual a cada exemplar vendido. Segundo uma amiga escritora a editora ganha em cima do autor. Por esse motivo, “caíres nas graças” é sinônimo de LUCRO.

“ Sites e blogs” – Sim, são “excelentes ferramentas”! Mas para DIVULGAR os teus escritos. Vendi alguns exemplares através da minha página. Só que para vender, tens que ter o livro publicado. Risos Os elogios e comentários dos amigos e visitantes são importantes também. Muito importante!

Bem, esse é o meu comentário. Mais tarde retorno.
Parabéns pela blogagem! Fiquei com vontade de fazer uma também. Risos Quando decidir o tema te aviso.


*Detalhe: Com a devida autorização. O Ricardo Rayol, deixou. risos Grata meu amigo!

3 comentários:

Beth disse...

Vou ler com muito carinho esse teu texto !!!

Cármen Neves disse...

Beth - Boa leitura! Grata pela visita.Beijos

Faculdade de Teologia disse...

Muito interesante seu post!! parabens ,q Deus lhe abençoe.
Abs!
Faculdade Teológica